A Força Espacial dos Estados Unidos busca a capacidade de identificar e rastrear objetos misteriosos em órbita terrestre. Recentemente, o Comando de Treinamento e Prontidão Espacial da Força Espacial dos EUA, conhecido como STARCOM, publicou o documento “Publicação de Doutrina Espacial 3-100, Consciência do Domínio Espacial”, que delineia o que é a consciência do domínio espacial (SDA, na sigla em inglês) e como estabelecê-la e mantê-la.

Em suma, a SDA significa poder identificar, entender, rastrear e manter a custódia de todos os objetos diversos em órbita ao redor da Terra.

publicidade

Leia mais:

A maior parte do documento descreve a necessidade de manter um ambiente seguro monitorando e rastreando objetos como detritos espaciais, o crescente número de satélites comerciais, espaçonaves operadas por adversários e “os perigos apresentados pelo ambiente espacial e detritos naturais” como meteoroides ou erupções solares.

Entretanto, o documento observa que operar com segurança no espaço também exige “a capacidade de identificar e responder rapidamente a ameaças e perigos, incluindo objetos que apresentam observáveis e padrões de vida anormais e não podem ser correlacionados a nenhum proprietário ou ponto de origem”.

Na maioria das vezes, tais objetos desconhecidos são lançados por outras nações. O documento STARCOM destaca que é “imperativo para a segurança das operações espaciais que os Estados Unidos não apenas saibam onde estão os objetos e espaçonaves a qualquer momento, mas também como chegaram lá, quem os possui, suas capacidades potenciais e a intenção de seus operadores”, como relata o Space.com.

A publicação detalha as várias maneiras pelas quais essa capacidade pode ser alcançada, incluindo o uso de sistemas de radar, sensores infravermelhos e ópticos, monitoramento de radiofrequência, estações orbitais de clima espacial e o uso de informações produzidas pela comunidade de inteligência.

Objetos desconhecidos

  • Mesmo com as diversas maneiras pelas quais a Força Espacial dos EUA e outras organizações acompanham os objetos em órbita terrestre, eventos recentes demonstram como alguns podem ficar sem atribuição.
  • Em um exemplo de 2022, um foguete desgovernado foi visto rumando para a lua. Embora a maioria dos observadores tenha notado que o foguete provavelmente era um propulsor da missão lunar Chang’e 5-T1 da China, o próprio país negou a afirmação.
  • O avião espacial reutilizável da China também foi observado liberando cargas desconhecidas em órbita, até outubro de 2022.
  • Em 2014, estações de rastreamento espacial observaram um objeto desconhecido ao lado de três satélites russos. Acredita-se que fosse um dispositivo anti-satélite ou uma espaçonave de inspeção, mas permaneceu não identificado.

Força Espacial dos EUA quer monitorar a órbita terrestre

Diante desses e outros desenvolvimentos, a Força Espacial procura monitorar de perto o que está acontecendo em órbita. Em outubro de 2023, o Comando de Sistemas Espaciais da Força Espacial selecionou várias empresas privadas para acelerar o desenvolvimento de novas tecnologias relacionadas à consciência do domínio espacial, conforme relatado pela SpaceNews.

No início deste ano, a United Launch Alliance lançou a espaçonave secreta Silent Barker da Força Espacial, projetada para ser uma “sentinela” sobre satélites em órbita geoestacionária, a região do espaço a cerca de 35.786 quilômetros de altitude que permite que as espaçonaves permaneçam estacionárias acima de pontos fixos na Terra.

E em 2022, o Pentágono criou a AARO, a All-Domain Anomaly Resolution Office, cuja missão é detectar, identificar e atribuir objetos “anômalos e não identificados” no espaço, ar ou água, ou aqueles que parecem viajar entre esses domínios. Até o momento, o escritório não encontrou “evidências credíveis” de que esses objetos anômalos sejam de origem extraterrestre.

Apesar da necessidade de mais consciência do que está no espaço e quem pode estar operando, “as capacidades do domínio espacial para a consciência espacial ainda estão atrasadas”, afirmou o Chefe de Operações Espaciais da Força Espacial, Gen. B. Chance Saltzman, em abril de 2023.