Confirmando as expectativas, janeiro de 2024 foi marcado pelas altas temperaturas. Foi o oitavo mês consecutivo de recordes de calornaTerra, anunciaram cientistas do observatório europeu Copernicus nesta quinta-feira (8).

Leia mais

Janeiro escaldante

Desde junho do ano passado, os cientistas têm registrado quebras de recorde de calor. Por isso, os pesquisadores do observatório europeu já confirmaram que 2023 foi o mais quente da história do nosso planeta, e 2024 continua num ritmo preocupante.

Segundo eles, a única forma de impedir esse dramático avanço nas temperaturas e todas as suas consequências para a Terra é reduzir rapidamente as emissões de gases de efeito estufa, limitando o aquecimento global.

publicidade

Ainda de acordo com o observatório, o primeiro mês de de 2024 foi o janeiro mais quente já registrado globalmente, com uma temperatura média do ar de superfície de 13,14°C, o que significa 0,70°C acima da média de janeiro de 1991-2020 e 0,12°C acima do recorde anterior, em janeiro de 2020.

Além disso, a temperatura média global nos últimos doze meses (fevereiro de 2023 – janeiro de 2024) é a mais alta já registrada, 0,64°C acima da média de 1991-2020 e 1,52°C acima da média pré-industrial de 1850-1900.

O calor também está sendo registrado nos oceanos. A temperatura média da superfície do mar global para janeiro atingiu 20,97°C, um recorde para o mês. O número também é 0,26°C mais quente do que o janeiro mais quente anterior, em 2016, e o segundo valor mais alto para qualquer mês no conjunto de dados do Copernicus, dentro de 0,01°C do recorde de agosto de 2023 (20,98°C).

Além disso, desde 31 de janeiro, a temperatura diária do mar alcançou novos recordes absolutos, superando os valores mais altos anteriores de 23 e 24 de agosto de 2023.

O El Niño ainda pode trazer eventos climáticos extremos como ondas de calor, incêndios florestais, secas e enchentes (Crédito: TWStock/ Shutterstock)
Calor extremo tem marcado presença na Terra (Imagem: TWStock/ Shutterstock)

Lista de recordes de calor

  • Primeiro, o planeta registrou o mês de junho mais quente da história em 2023.
  • Depois, a marca foi quebrada em julho, agosto, setembro, outubro, novembro, dezembro e agora janeiro.
  • Além disso, o número de dias que ultrapassou o limiar de aquecimento politicamente significativo de 1,5ºC já atingiu um novo máximo.
  • E pela primeira vez, o mundo registrou um dia com a temperatura média global 2°C acima da era pré-industrial.
  • Ainda de acordo com os especialistas, julho do ano passado foi tão quente que pode ter sido o mês com maior calor em 120 mil anos, enquanto as temperaturas médias de setembro quebraram o recorde anterior em 0,5°C.
  • As informações são do G1.